As Sociedades de Propósito Específico que visam Aquisição, ou SPACs na sigla em inglês, vêm ganhando popularidade nos últimos meses, com SPACs listadas nos EUA levantando mais de US$ 12 bilhões no primeiro semestre de 2020.  Mais de 50% dos IPOs listados na NYSE durante esse período foram de SPACs. A bolsa de valores de Nova York registrou 82%, ou US$ 8,8 bilhões de recursos provenientes de IPO de SPACs nos EUA, incluindo grandes empresas de private equity como sponsors, tais como Apollo Global Management, Blackstone, TPG Capital, e o braço de venture capital do hedge fund Third Point.

Esses veículos de investimentos blank-check facilitam parcerias entre os referidos “patrocinadores” (sponsors) financeiros e as empresas privadas, por exemplo, oferecendo às empresas familiares, uma opção de rentabilização, com menor dificuldade e complexidade do que um IPO tradicional. Podemos mencionar várias vantagens para uma SPAC, tais como um acesso mais rápido e mais fácil ao capital, bem como maior potencial de avaliação. Obviamente, existem desvantagens, incluindo uma falta de cobertura de pesquisa que os bancos geralmente produzem após a subscrição de oferta pública de uma empresa; essencialmente, as equipes de pesquisa e de venda de participações dos bancos de investimentos ajudam a ampliar a história de investimento de uma empresa que abriu seu capital recentemente. As SPACs também podem apresentar uma baixa liquidez de negociação, o que pode representar um obstáculo ao atrair novos investidores. Outra desvantagem seria uma base acionária inicial que geralmente não possui o nível do setor ou o conhecimento geográfico que muitas empresas buscam em um “patrocínio” de investimento visando sustentar sua avaliação de mercado.

O que é uma SPAC? A SPAC é uma empresa fictícia listada em bolsa, sem operações ou ativos na época de sua organização. Não possui um objetivo definido, exceto buscar a aquisição de um ativo, com os recursos que foram levantados. Na maioria dos casos, uma SPAC é administrada por um sponsor, seja um hedge fund ou grupo de private equity que levanta os recursos necessários para a entidade por meio de um IPO. Esses recursos são utilizados na aquisição de um ativo que seja compatível com a estratégia de investimento da SPAC, que poderá designar um setor-alvo ou região geográfica, embora algumas SPACs abram capital como investidor generalista, sem uma estratégia definida. Em poucas palavras, as SPACs oferecem aos acionistas a oportunidade de participarem na aquisição de um ativo que talvez eles não tenham conseguido investir em outras circunstâncias.

A fabricante de espaçonaves Virgin Galactic Holdings (NYSE: SPCE) de Richard Branson e a empresa de fantasy games, DraftKings (Nasdaq: DKNG)  estão dentre as empresas que se fundiram com SPACs nos últimos anos, e se tornaram empresas listadas nos EUA. No entanto, nem todas as empresas que abriram capital por meio de transações blank-check estão domiciliadas nos EUA. A Tecnoglass (Nasdaq: TGLS), fabricante colombiana de vidro arquitetônico, foi adquirida por uma SPAC em 2013. Em 2017, a Riverstone, uma empresa de private equity, patrocinou a primeira SPAC listada na América Latina, a Vista Oil & Gas (BMV: VISTA), que negocia suas ações na bolsa de valores mexicana. No início de 2019, a Bioceres Crop Solutions (NYSE: BIOX), uma provedora de tecnologias de produtividade agrícola, sediada na Argentina, fundiu-se com uma SPAC. Em 14 de julho de 2020, a HPX Corp., (NYSE:HPXU), SPAC liderada por Bernardo Hees, é a primeira SPAC a concentrar investimentos em ativos brasileiros, levantou US$ 220 milhões em um IPO subscrito em excesso.

Atualmente, existem 71 SPACs no mercado em busca de empresas-alvo, cinco das quais estão em busca de aquisições na América Latina, segundo dados da SPACInsider, um website voltado a esse setor.

Por que vender um negócio para, ou fundir-se com uma SPAC?  Existem alguns benefícios distintos para uma empresa fundir-se com uma SPAC. Primeiro, essa estrutura, permite uma empresa evitar o processo convencional de um IPO, que pode ser relativamente dispendioso, exaustivo e estressante para a administração. Segundo, pode fornecer capital em uma época em que o mercado de capitais pode não ser ideal para sustentar um IPO.  Finalmente, a reputação e a experiência do sponsor da SPAC pode exercer um efeito relevante sobre a avaliação, já que a empresa adquirida pode se beneficiar com o “efeito halo” de um sponsor de renome; as empresas mencionadas acima, por exemplo, são muito conhecidas por serem investidores astutos.  Em termos de perspectiva, a combinação entre um estabelecido banco de Investimentos ou empresa de private equity e um executivo experiente com habilidades operacionais comprovadas geralmente tem alcançado maiores avaliações para o veículo listado.

 

Como InspIR Group pode te ajudar? Se você é dono de uma empresa e está considerando a venda ou fusão com uma SPAC, podemos te auxiliar na preparação de um deal road show bem sucedido; após a transação, fornecendo suporte e consultoria contínuos a respeito às exigências para preparação de relatórios, coletando cobertura de researches, assim como buscando e atraindo investidores que apoiarão a sua avaliação de mercado e futuros financiamentos. Para as empresas que já são listadas via SPAC, oferecemos nossa experiência inestimável com as empresas que trilharam esse caminho. Fale conosco sobre como podemos ajudar no posicionamento estratégico de sua história de investimento e atrair o devido suporte sell e buy-side que manterá o valor justo de mercado, à medida que a sua história evolui.

 

Entre em contato:

Monique Skruzny: +1 (212) 661-2243 – monique@inspirgroup.com

Fabiane Goldstein: +55 (11) 98103-0201 – fabiane@inspirgroup.com