Comunicado aos Nossos Clientes e ao Mercado

Imagino que esse comunicado vai pegar senão todos, a grande maioria, trabalhando de casa, vivendo esse período de incerteza com muitas perguntas, e poucas respostas. Antes de mais nada, espero que estejam todos bem, com saúde, para atravessar essa fase.

Desde os primeiros efeitos do Coronavírus (COVID-19) no mercado de ações global, estamos em contato com nossos clientes, bem como com investidores e analistas. Com base nessas conversas, compartilhamos com vocês prioridades de comunicação e recomendações gerais para as interações com a comunidade financeira, considerando que os efeitos do Coronavírus devem continuar impactando o desempenho dos negócios por um período indeterminado.

Entendemos que as companhias vão continuar recebendo perguntas sobre os mais diversos temas relacionados a esse evento, seja por acionistas, analistas, potenciais investidores e o próprio Conselho. A alta administração e os DRIs devem estar à disposição e preparados para responder a essas questões da forma mais completa possível, baseados nas informações disponíveis até o momento. Em diversos casos, respostas para essas perguntas envolvem assuntos relevantes e informações que podem não ser públicas. Dessa forma, caso a companhia decida fazer algum tipo de divulgação, recomendamos que o faça de forma ampla e aberta, por meio de um comunicado ao mercado, fato relevante (quando aplicável), publicação no site de RI e até mesmo teleconferência, se for o caso.

Ao mesmo tempo, vale a pena ser proativo. Os investidores estão voltados a resolver questões próprias, como lidar com resgates e rebalancear o portfólio. As rotinas estão alteradas com cancelamentos de conferências e eventos. Muitos ainda se mostram reticentes com conversas via videoconferência. Mas a informação continua sendo valiosa.

A CVM divulgou recentemente orientações (Ofício Circular SNC/SEP 02/2020) para Diretores de Relações com Investidores e auditores independentes, relacionados a considerações dos impactos do COVID-19 em seus negócios e reporte dos principais riscos e incertezas advindos dessa análise nas demonstrações financeiras e no formulário de referência. Foi um posicionamento pioneiro globalmente e que trará impactos tanto para a divulgação do primeiro trimestre de 2020 como para a atualização do formulário.

Ou seja, de forma geral, recomendamos que qualquer comunicação de impacto ou expectativa de impacto relevante em função do Coronavírus seja realizada de maneira proativa à comunidade financeira, incluindo também iniciativas que estão sendo implementadas para mitigar os riscos associados aos impactos da pandemia em todos os stakeholders –funcionários, fornecedores e clientes. Nesse momento, esclarecimentos adicionais, de qualidade, podem ser cruciais.

Prioridades de Comunicação e Recomendações

  • Converse com os analistas de sua cobertura para que os eventuais relatórios reflitam precisamente a atual situação e a perspectiva da companhia;
  • Conheça bem o perfil e as expectativas dos seus investidores, principalmente os maiores acionistas, e atue proativamente para informá-los sobre os desdobramentos desse evento;
  • Procure destacar os pontos fortes do balanço que vão ajudar a companhia a mitigar os impactos do Coronavírus e continuar cumprindo as obrigações financeiras. Os investidores precisarão saber como a companhia está gerenciando seus passivos para avaliar a liquidez;
  • Explique eventuais exposições cambiais relevantes, no que diz respeito à importação de bens e serviços, bem como passivos em moedas estrangeiras que não são compensados ​​por receitas nessas mesmas moedas;
  • Destaque as medidas de precaução que a companhia está implementando para mitigar riscos relacionados ao Coronavírus, tais como níveis mais baixos de demanda dos clientes supridas por e-commerce;
  • Descreva qualquer interrupção existente ou esperada na cadeia de suprimentos da companhia, mostrando as contingências a serem implementadas;
  • Esteja preparado para comentar sobre o planejamento da companhia para essa situação, incluindo uma análise de sensibilidade sobre o melhor, mais provável e pior cenário possível pela perspectiva de demandas futuras, assim como níveis de produção e serviços;
  • Ressalte qualquer contenção de custo/medidas de preservação de caixa que estão sendo implementadas, tais como suspensão de contratação, remuneração e viagens, ou a renegociação de prazos de pagamento com fornecedores;
  • Quando e se necessário, atualize o guidance da companhia, seja na forma de revisão ou suspensão temporária;
  • Destaque possíveis oportunidades advindas de mudanças geradas pelo Coronavírus, como menor custo dos insumos ou taxas de juros menores para refinanciar dívidas em condições mais favoráveis;
  • Nos primeiros sinais de retomada do mercado de ações, intensifique o engajamento com os investidores. Muitos deles estarão buscando oportunidades em novos níveis de preço, o que vai demandar uma estratégia de contato específica.

A InspIR Brasil aproveita para informar que todos os seus colaboradores estão trabalhando remotamente desde 16 de março. O atendimento segue normalmente pelos respectivos celulares e e-mail.

Estamos à disposição para discutir o melhor plano de ação para a sua empresa.

Fabiane Goldstein – CEO, InspIR Brasil – São Paulo – fabiane@inspirgroup.com  +55 11 98103 0201

Monique Skruzny – CEO, InspIR Group – New York – monique@inspirgroup.com  +1 212 661 2243